• Alessandro Meiguins

10 motivos para manter a Floresta Amazônica em pé

Por Afonso Capelas Jr. e Alessandro Meiguins


A riqueza da floresta amazônica em pé é muito maior do que todo o ouro garimpado, toda a madeira derrubada, a fauna surrupiada e tudo que uma área desmatada chega a render – seja para pecuária ou monocultura. Essas falsas vantagens em queimar, derrubar e poluir o patrimônio ambiental são como esfolar uma galinha para conseguir um ovo, ou derrubar a macieira para pegar uma maçã. Falta capacidade política ao Brasil para explorar de forma estratégica essa reserva natural capaz de gerar uma quantidade incontável de benefícios para o país e para a humanidade. Conheça os principais motivos para salvar a Amazônia.


1 – É a principal reserva mundial de florestas

A região amazônica representa ⅓ de todas as florestas tropicais do mundo. Preserva a qualidade do solo e os mananciais, além de conservar a biodiversidade de 5,5 milhões de km2, em nove países da América do Sul.


2 – Quase toda a biodiversidade do planeta está lá

Mais da metade da riqueza de fauna e flora da Terra está na Amazônia. Plantas, aves, insetos, répteis, peixes, mamíferos se equilibram em inúmeros ecossistemas, formando um gigantesco armazém de vida diversificada.


3 – É um gigantesco reservatório de água

A Amazônia concentra 20% da água doce do planeta. Seu sistema fluvial é o maior da Terra, com 7 milhões de quilômetros quadrados de captação. Isto representa ⅙ de toda água doce mundial sendo despejada pelos rios amazônicos no mar. Sem essa floresta, o planeta seca.


4 – Contribui com o sustento das populações tradicionais

Cerca de 25,5 milhões de brasileiros – incluindo indígenas, sertanejos e comunidades quilombolas – vivem na floresta e da floresta. Mais de 80 produtos florestais não madeireiros (PFNMs) são produzidos e comercializados por eles em reservas extrativistas, representando 0,02% do PIB brasileiro, ou 1,5 bilhão de reais ao ano. A produção e venda de PFNMs como castanhas, açaí, óleo de copaíba, pupunha e borracha é comercializada em vários estados do Brasil e até do exterior. Tudo isso mantendo a floresta em pé.


5 – Permite a exploração madeireira sustentável

Dá para produzir madeira sem destruir a floresta. Uma prova disso é que a região Amazônica já utiliza 350 espécies de árvores para fins comerciais sem prejudicar o ecossistema.


6 – Estoca carbono, causador das mudanças climáticas

As árvores da Amazônia funcionam como grandes depósitos de carbono que ficam aprisionados nos tecidos vegetais. Quando a floresta é queimada ou derrubada, esse carbono é liberado para a atmosfera, causando o efeito estufa que contribui para o aumento da temperatura, desregulando o clima em todo o planeta.


7 – Equilibra o clima garantindo boas safras

A floresta ajuda a manter o equilíbrio climático - o que é fundamental

para outras atividades econômicas, como a agricultura. Não faz o menor sentido derrubar a floresta para plantar soja, por exemplo, porque para a soja ter um bom plantio ela precisa de um determinado clima que só a floresta proporciona.


8 – Permite a exploração sustentável do potencial científico

Entre os chamados “serviços ecossistêmicos” da Amazônia está o desenvolvimento de uma indústria farmacêutica a partir da flora da floresta e do conhecimento de populações tradicionais que aperfeiçoaram o uso de compostos químicos encontrados em plantas. A comunidade científica acredita que menos de 0,5% das espécies da flora amazônica foram estudadas em detalhes sobre o seu potencial medicinal.


9 – Fogo duplamente vilão

Além de destruir a riqueza natural da região, o fogo queima estruturas caras como cercas e arrasa culturas perenes (como cupuaçu e a laranja), plantações florestais e pastagens, causando um prejuízo de mais de U$ 107 milhões por ano à sociedade brasileira (falando apenas do que é possível calcular).


10 – Pode fazer do Brasil um país tropical desenvolvido

Os especialistas garantem que se a exploração indiscriminada de madeira, soja e gado for eliminada da região Amazônica e um novo modelo econômico valorize a floresta em pé, a biodiversidade e os recursos naturais renováveis o Brasil pode tornar-se o primeiro país tropical desenvolvido. De acordo com o pesquisador Carlos Nobre “o Brasil tem chances para alcançar esse objetivo porque reúne as melhores condições, tanto pela sua potencialidade de recursos naturais como pela sociedade diversa, pela força de sua comunidade científica e tecnológica, por sua base industrial sofisticada”.

Fervura:
Versão
Beta

fervura_baixa03.jpg

Notícias quentes da frente climática