7 razões para prestar atenção em Greta Thunberg

Veja por que, de jovens a líderes mundiais, gostando dela ou não, todos escutam Greta Thunberg quando ela fala.


Por Karen Tada


Greta Thunberg é uma garota sueca de 16 anos, de tranças, com um olhar muito sério, que, em um ano, virou um exemplo de determinação e atitude, com seus protestos e falas contundentes pedindo que o mundo comece a agir imediatamente para enfrentar de forma efetiva e prática a crise climática. Para muita gente, ela é a melhor notícia dos últimos tempos.

"Eu estou fazendo isso porque ninguém está fazendo nada. É minha responsabilidade moral fazer o que posso."



1. Ela começou com o que achava que podia fazer...

Um dia, Greta resolveu faltar na escola para fazer um protesto diante do Parlamento sueco, pedindo mais ações pela emergência climática. Fez isso sozinha, aos 15 anos, com uma placa de madeira e cartazes onde tinha escrito alguns dados sobre as mudanças climáticas que ela achou que as pessoas deveriam saber. Já na semana seguinte, alunos, professores e seus pais se juntaram a ela.

2. ... E fez surgir um movimento mundial Em setembro, ela passou a fazer os protestos regularmente às sextas-feiras. Assim surgiu o movimento “Fridays for Future”, com Greta sugerindo a outros jovens que fizessem protestos em suas próprias escolas, também. Em poucos meses, mais de 17 mil estudantes em 24 países participavam do movimento, que só foi crescendo. 3. Uma coisa boa: ela não tem filtros “Vocês [adultos, líderes mundiais] são imaturos”. “Quero que vocês sintam o medo que eu sinto, para que comecem a agir”. Sem hesitar, sem cerimônia, Greta fala claramente o que pensa, seja para empresários poderosos, para líderes de governo ou outros jovens. A estudante, que foi diagnosticada com síndrome de Asperger e chegou a sofrer de depressão, não tem receio de falar quando o assunto é clima, porque, para ela, isso é algo que precisa ser feito. Simples assim.

Veja o que ela disse no final de 2018, na 24ªConferência da ONU para Mudanças Climáticas, a COP 24, na Polônia:



4. E ela não liga para quem não curte o que ela diz Claro que Greta já foi bastante atacada. Quem a critica diz que ela espalha pânico, que é o guru do apocalipse, que deveria ser indicada ao Nobel do Medo (ela já foi indicada ao Nobel da Paz). Mas ela não se intimida, pelo contrário. Ela acredita que isso é um sinal positivo, pois no mínimo está incomodando quem não quer fazer nada.


Por outro lado, ganha cada vez mais apoio e espaço. Veja Greta com políticos e personalidades:


5. Barco sem banheiro, sem cozinha? Ela encarou essa, pelo clima Não foi surpresa quando Greta foi convidada para ir a Nova York, para participar da Cúpula pelo Clima, que acontece em setembro (ela tirou um período sabático da escola). O que surpreendeu foi a decisão de ir, da Inglaterra para os Estados Unidos, sem gerar nenhuma emissão de carbono. Assim ela embarcou, no dia 14 de agosto, em um veleiro, desses de competição, mas sem banheiro, sem motor, sem cozinha, capaz de gerar energia solar para fazer funcionar os instrumentos de navegação. Foi uma travessia de duas semanas.

Veja um dos vídeos feitos sobre sua viagem:



6. Questão de coerência Essa viagem deixou muita gente empolgada, mas também teve gente que torceu o nariz. Então, para enfrentar a mudança climática, todo mundo vai ter que deixar de voar de avião e viajar de barco, sem banheiro? Muita calma nessa hora! A soma não é tão simples. Mas o fato é que, para Greta, viajar de avião é uma das piores coisas possíveis e ela se recusa a fazer isso. No mínimo, ela mostra que busca ser coerente em suas ações e falas. No mínimo, chamou a atenção para o fato de a aviação civil ser uma grande emissora de carbono. E, no mínimo, demonstrou coragem.

Queriam ela lá em Nova York? Ela, que nunca tinha navegado na vida, passou duas semanas em alto-mar.

Leia aqui o texto da nossa colunista, Giovana Madalosso, que descobriu como os voos alçavam sua pegada de carbono às alturas!

7. E agora, Greta?

Com certeza os holofotes continuarão sobre Greta ainda por um tempo. Uma garota de 16 anos que, com suas atitudes, fez com que muita gente saísse de sua zona de conforto e prestasse atenção no que ela tinha a dizer. Que é preciso falar sobre clima. Que é preciso fazer algo, agora, para ter esperanças de um planeta onde todos possam viver.

Greta é uma inspiração. Karen Tada é jornalista e antropóloga, ex-editora de conteúdo do Planeta Sustentável e acompanhou três COPs do Clima.


Quer saber mais? Greta posta as novidades em seu Twitter. O The Guardian fez um ótimo perfil dela e a Fundação Thomson Reuters fez uma linha do tempo que mostra como o movimento Fridays for Future, e Greta, ganharam força incrível em apenas um ano.



Fervura:
Versão
Beta

fervura_baixa03.jpg

Notícias quentes da frente climática